Logo Viceral Games
Logo da Viceral games - Divulgação
Fundação:1998, Redwood City, Califórnia, EUA
SedeRedwood City, Califórnia, EUA
FundadorElectronic Arts
Atuais donosEmpresa extinta
Países que operaAtuação Global
O que ofereceDesenvolvimento de jogos

Como uma desenvolvedora de jogos, a Visceral Games participou de muitos momentos na vida dos jogadores através dos seus produtos. Afinal, a empresa desenvolveu jogos icônicos que até hoje possuem o carinho do público, seja pelos personagens ou jogabilidade diferenciada. Por exemplo, a franquia Dead Space, Os Simpsons, Senhor do Anéis e muito mais.

Diante disso, vale a pena conferir como a empresa conseguiu crescer e se manter em um mercado tão competitivo. Então, continue a leitura do artigo e descubra as origens da Visceral Games, quem a gerenciava e alguns dos seus jogos mais famosos.

Quando a Visceral Games foi fundada?

A Visceral Games surgiu no ano de 1998 em Redwood City, localizada na Califórnia, Estados Unidos. No começo, ela era chamada de EA Redwood Shores e manteve esse nome por mais de uma década até a sua renomeação.

Quem são os fundadores da Visceral Games?

logo EA - Electronic Arts

A fundadora da Visceral Games é a empresa Electronic Arts que mantinha a desenvolvedora de games como uma das suas subsidiárias, gerenciando todas as ações da empresa.

Continue depois da publicidade

O bom desenvolvimento da Visceral Games permitiu que o estúdio tivesse mais independência dentro da EA.

Quem são os atuais donos da Visceral Games?

A Electronic Arts gerenciou a Visceral Games desde o lançamento até o fechamento da subsidiária.

O que a Visceral Games oferece?

A Visceral Games atuava no setor de desenvolvimento de jogos eletrônicos. Criada pela Electronics Arts no ano de 1998 na cidade de Redwood City, a empresa era conhecida como EA Redwood Shores. Somente em 2009 que a subsidiária mudou o seu nome para Visceral Games. Ao longo da sua história, a empresa incluiu alguns títulos famosos ao seu currículo, como o Dead Space, jogos da franquia 007 e Nascar. Seus jogos eram desenvolvidos especialmente para os consoles da PlayStation, Xbox e Microsoft Windows.

Em outubro de 2017, a EA decidiu encerrar as atividades da Visceral Games, mesmo com a subsidiária trabalhando em novos projetos. A empresa decidiu transferir os funcionários para as sedes da EA localizadas em Montreal e Vancouver.

Continue depois da publicidade

História da Visceral Games

Durante o ano de 1998, a Electronic Arts, EA, mudou a sua sede em San Mateo para a cidade de Redwood Shores. Após se estabelecer, a companha criou a sua subsidiária na localidade, a EA Redwood Shores, parte da divisão EA Games.

Future Cop: ÇAPD foi o primeiro jogo lançado pela EA Redwood Shores ainda no ano de 1998. Até o ano de 2008, a maioria dos jogos lançados tinham inspiração em filmes ou eram produtos de acordos com empresas e celebridades do mundo esportivo. Na época, a EA não estava focada na criação de produtos originais, trabalhando até numa sequência do game System Shock.

Os executivos da empresa se mostravam irredutíveis as propostas de jogo dos desenvolvedores internos. Porém, com o sucesso de Resident Evil 4, os executivos ficaram mais abertos às ideias de projetos. Como resultado, a equipe conseguiu trabalhar melhor no desenvolvimento do jogo System Shock, mudando o seu título para Dead Space.

Felizmente, Dead Space conquistou o público e crítica, motivando a mudança do nome do estúdio para Visceral Games tempos depois. O sucesso do jogo garantiu que a Visceral Games se tornasse não só uma divisão própria dentro da EA, mas também um estúdio dedicado a criação de jogos de gênero. Em outras palavras, a Visceral Games focaria na criação de jogos de ação na perspectiva de terceira pessoa e mantendo essa característica em seus produtos, aproveitando o sucesso de Dead Space.

Continue depois da publicidade

Outros games

Além de um jogo inspirado em “O inferno de Dante”, a empresa também trabalhava em “The Ripper” durante o ano de 2009, jogo inspirado na história de Jack, o estripador. Infelizmente, “The Ripper” foi descartado, embora rumores indicassem que um jogo derivado da história estava em desenvolvimento. Na mesma época, a filial do estúdio localizada em Melbourne encerrou as suas atividades.

Enquanto isso, a empresa manteve o lançamento de “O inferno de Dante”. Com a recepção mista do público e crítica, a Visceral Games se dedicou ao desenvolvimento das sequências de Dead Space. Embora uma das sequências tenha sido bem recebida pela crítica, anos mais tarde Zach Wilson, ex-designer da empresa, afirmou que a continuação da franquia trouxe prejuízo para a Visceral Games. Afinal, as vendas de quase US$ 5 milhões não compensou os gastos com desenvolvimento e marketing acima de US$ 40 milhões.

Influência de Dead Space na empresa

Apesar dos prejuízos, a Visceral Games mantinha a sua atenção na criação do Dead Space 3. O plano inicial era manter a sequência parecida com o jogo original, mas a EA mantinha receios em relação a abordagem do jogo. Além disso, a equipe incluiria mudanças significativas no jogo, como o modo cooperativo.

Segundo Wanat, um dos funcionários-chaves da empresa na época, a EA estava pressionando a equipe de criação para tornar o Dead Space 3 mais dinâmico e rápido. Dessa forma, para a empresa, seria possível atrair mais jogadores, apesar da equipe criativa alertar sobre a essência do terror diminuindo em troca, fenômeno semelhante à franquia Resident Evil. Como consequência, Dead Space 3 não vendeu tanto quanto o jogo Dead Space 2.

Continue depois da publicidade

Na época, Patric Söderlund, vice-presidente da EA, afirmou que Dead Space era um produto valorizado para a companhia. No entanto, a EA não tinha planos de lançar a quarta edição do game, concentrando a sua atenção em outros projetos agendados. Depois que a Visceral Games concluiu a sua parceria com o estúdio Visceral Montreal no jogo Army of two: The devil’s Cartel, a EA decidiu encerrar as atividades do Visceral Montreal.

Projetos finais

Após a Disney comprar a Lucasfilm e encerrar as atividades do estúdio LucasArts, a EA conseguiu um acordo para lançar os jogos da franquia Star Wars. Para tanto, ela usou três estúdios, incluindo a Visceral Games, no desenvolvimento desses projetos. Enquanto isso, a EA descartou um projeto de jogo chamado “Jamaica”, substituindo por um jogo de ação com essência parecida, batizado como “Yuma”.

Para ajudar no desenvolvimento do jogo, a empresa contratou Amy Henning para o time. Ela ficaria responsável pela diretoria criativa, desenvolvendo a história do jogo Yuma. Após outra mudança, a empresa mudou o conceito do jogo, alterando o nome dele para Ragtag.

Depois de encerrar as atividades do estúdio Visceral Games, a EA optou por transferir o game Star Wars para a EA Worldwide Studios a fim de transformar a jogabilidade dele. Parte da responsabilidade sobre o encerramento da Visceral Games foi atribuída ao pouco interesse dos editores de desenvolver jogos single-player. Esse modelo de jogo já tinha se tornado a principal característica do estúdio Visceral Games no passado.

Continue depois da publicidade

No entanto, Andrew Wilson, CEO da EA, afirmou que o fechamento da Visceral Games aconteceu por causa das mudanças e tendências de mercado. Ou seja, o encerramento servia para atender as necessidades dos jogadores, além de uma mudança de design nos produtos.

Fechamento

O fechamento da Visceral Games aconteceu durante o mês de outubro de 2017. Na época, a empresa se dedicava ao desenvolvimento de um jogo de aventura da franquia Star Wars, ficando a cargo de outro estúdio após a dissolução da subsidiária. Tal como outros jogos da empresa, o jogo era um single-player com um desenvolvimento narrativo linear. A princípio, esse game tinha previsão de lançamento para 2019. Enquanto isso, outros estúdios, como a DICE e BioWare, assumiram os jogos de Star Wars.

Para a EA, o encerramento da Visceral Games atendeu a um movimento de mercado e dos consumidores. Afinal, os jogadores procuravam por experiências inovadoras e duradouras. Por esse motivo, o fechamento da Visceral Games abriria espaço para a criação de outros projetos que atendessem a essa demanda. A empresa afirmou que trabalhava no remanejando das equipes para outras sedes da companhia.

Problemas com a linearidade dos jogos e lançamentos

A EA reconheceu que os jogos mais lineares da Visceral Games não estavam agradando os jogadores há bastante tempo. Outro problema da empresa eram as queixas contínuas em relação as microtransações do game Star Wars: Battlefront II.

Continue depois da publicidade

O diretor financeiro da EA, Blake Jorgersen, afirmou que o sistema linear da Visceral Games poderia trazer perdas para a empresa no futuro. Para Jorgensen, esses jogos funcionavam melhor na tendência de lançamentos que acontecia anos antes.

Além disso, Blake Jorgensen afirmou que a equipe da Visceral Games tentava reformular a experiência dos seus jogos, mas o custo para essa melhora era alto e não poderia ser bancado pela empresa. Então, a melhor decisão seria o encerramento da subsidiária. Ademais, as perdas geradas pelo lançamento da sequência de Dead Space contribuiu para esse desfecho.

Solidariedade

Uma onda de solidariedade tomou conta da internet após a EA anunciar o fechamento da Visceral Games. Muitas editoras e desenvolvedoras resolveram ajudar os ex-funcionários da Visceral Games a encontrar novos empregos. Então, a hashtag #VisceralJobs tomou conta do Twitter para divulgar cargos disponíveis em várias empresas do setor pelo mundo.

Empresas como Treyarch, Boss Key, Rockstar Games e Naughty Dog participaram da campanha. Até a Motive Studios se juntou à iniciativa, sendo ela uma das empresas indicadas pela EA como destino dos ex-funcionários da Visceral Games.

Continue depois da publicidade

Além de ajudar os ex-funcionários da Visceral Games, a hashtag também serviu para algumas pessoas pedirem o boicote ao jogo Star Wars: Battlefront II. Segundo as denúncias, esse e outros jogos da empresa exigiam que os jogadores pagassem para obterem vantagens e recursos para vencerem as partidas virtuais.

Jogos da Visceral Games

Enquanto esteve em funcionamento, a Visceral Games trabalhou em diversos títulos. Muitos deles se consolidaram no mercado, sendo sucessos até hoje. Sendo assim, confira uma lista com os jogos mais famosos da empresa.

007: From Russia with Love

007: From Russia with Love - Divulgação
007: From Russia with Love – Divulgação

Lançado em 2005, o jogo tem inspiração livre na franquia 007, solicitando que o agente detenha uma organização criminosa misteriosa. Trata-se de um jogo de tiro na perspectiva de terceira pessoa. O jogador pode travar a mira da sua arma no alvo antes de atirar.

Esse jogo chama a atenção para a estética sessentista dos filmes 007, criando uma atmosfera mais nostálgica para quem acompanhou os filmes do espião. Tanto os ambientes internos quanto externos recriaram com detalhes o visual da época e alguns apetrechos dos filmes. Ademais, o próprio Sean Connery retornou para dublar o personagem.

Continue depois da publicidade

Dante’s Inferno

Dante's Inferno - Divulgação
Dante’s Inferno – Divulgação

Em uma das suas cruzadas, Dante recebe um ferimento mortal e é deixado à beira da morte. A própria entidade Morte chega para buscá-lo, mas o guerreiro consegue derrotá-la e pegar a foice mágica da criatura. Ao retornar ao seu lar, descobre que Beatrice, sua esposa, está no inferno e ele vai atrás para resgatar a alma dela.

O jogador enfrentará diversos inimigos usando duas armas primárias: a foice da morte e uma cruz de Beatrice. A foice realiza ataques físicos à curta distância enquanto a cruz permite ataques mágicos de longo alcance. Ao absorver almas e coletar pontos, o jogador consegue aumentar o poder das duas armas. Tal qual o na história de inspiração, o jogador deve passar por diversas etapas do inferno para vencer o adversário final.

Dead Space

Dead Space - Divulgação
Dead Space – Divulgação

Neste terror de sobrevivência, o jogador controla Isaac Clarke, um engenheiro de uma nave mineradora. O problema é que a nave é o berço de milhares de necromorfos, humanos mortos e infectados por um vírus alien.

O personagem descobre as informações sobre armas e defesas por meio de projeções holográficas na tela. É possível descobrir a quantidade de munição disponível e o status de saúde do personagem ao se aproximar dos itens. O jogo não pausa mesmo quando o usuário verifica o baú de objetos, então o personagem continuará sujeito a ataques.

Continue depois da publicidade

Quanto à jogabilidade, trata-se de um jogo de ação com quebra-cabeças e etapas de período limitado. Por exemplo, dependendo do ambiente que está, o personagem terá pouco ar, exigindo do jogador agilidade para concluir as tarefas. Ademais, os inimigos mudam os planos de ataque com frequência, criando outros membros ou se multiplicando.

Future Cop: LAPD

Future Cop: LAPD - Divulgação
Future Cop: LAPD – Divulgação

O jogo de ação tem perspectiva em terceira pessoa e permite ao jogador controlar um robô. Esse robô deve lutar numa guerra futurista disparando contra os inimigos. Caso queira, o jogador pode alternar o robô para se transformar em um carro ou em um robô gigante.

Golden Eye: Rogue Agent

Golden Eye: Rogue Agent - Divulgação
Golden Eye: Rogue Agent – Divulgação

Assumindo o papel de Jack Hunter, ex-agente do MI6, o jogador recebe a missão de eliminar Julius No. Embora não esteja conectado ao filme de 1995, o jogo apresenta personagens conhecidos da franquia 007, como Xenia Onatopp, Pussy Galore, Francisco Scaramanga e mais.

Knockout Kings

Knockout Kings - Divulgação
Knockout Kings – Divulgação

Essa é uma franquia de jogos de joxe produzida de 1998 a 2003. O jogador pode programar uma rodada para até 3 minutos. Ativando o modo “Slugfest” é possível fazer nocaute a qualquer momento ou levar até sete knockdowns.

Continue depois da publicidade

Medal of Honor: Frontline

Medal of Honor: Frontline - Divulgação
Medal of Honor: Frontline – Divulgação

O jogo Medal of Honor: Frontline oferece uma narrativa ambientada durante a Segunda Guerra. Quem assume o posto de soldado pode lutar com um batalhão de até 20 homens enquanto avança no campo adversário. Neste jogo de tiro, o jogador deve ajudar reféns, controlar as rotas de suprimentos e destruir localizações inimigas.

O começo da história ocorre no Dia D, considerado o momento mais impactante da guerra. Controlando um soldado, o jogador começa atacando os campos inimigos escolhendo entre 18 armas do arsenal. O objetivo é completar as 19 missões em diversos estágios e lugares, passando por uma atmosfera de bastante tensão que exige estratégia e resiliência do jogador.

NASCAR Rumble

NASCAR Rumble - Divulgação
NASCAR Rumble – Divulgação

O jogo Nascar Rumble é um game de corrida com pistas mais ousadas e de ambiente mais fantasioso. O jogador passa por até 18 circuitos distintos em seis localizações diferentes. Durante o seu percurso, é possível coletar “power-ups”, itens que aumentam o desempenho e as habilidades do piloto por alguns instantes.

Enquanto pilota, o jogador enfrentará alguns inimigos e deve superá-los para chegar em primeiro lugar com segurança. Apesar do nome, o jogo Nascar Rumble não possui uma rota tão linear quanto o evento televisivo, sendo mais fantasioso e divertido que a referência real de corrida.

Continue depois da publicidade

O Poderoso Chefão

O Poderoso Chefão - Divulgação
O Poderoso Chefão – Divulgação

Os Barzini assassinaram John Trapani, um dos membros da conhecida família Corleone. O filho de John, Aldo, foi testemunha do crime e após Don Corleone acolher o garoto, o chefe da máfia promete vingança quando ele estiver adulto. Tempos depois, Aldo se envolve em problemas com uma gangue e Don Corleone passa a ajudar o jovem a pedido da mãe dele.

Com o tempo, Aldo aprendeu a utilizar armamento, técnicas de defesa e táticas de extorsão. Agora, Aldo está pronto para participar da família Corleone, elevando a sua posição entre os mafiosos e iniciando o seu plano de vingança contra os Barzini.

O jogador é apresentado a um jogo de mundo aberto na modalidade de terceira pessoa. A experiência lembra a de um RPG de dominação em que o personagem consegue assumir o comando de outras famílias. Quando assume o controle de outros grupos, o personagem principal passa a ser alvo de conspirações e armações que ameaçam a vida dele.

O domínio sobre as famílias e comércio acontece por meio de extorsão onde as vítimas podem cooperar ou serem forçadas a pagar e obedecer. Caso queira, o usuário pode usar outras vestimentas e adquirir armas novas e mais poderosas do mercado clandestino. Concluir as missões mais importantes dá ao personagem mais pontos de experiência para subir de nível e dinheiro para acessar a loja de customizações.

Continue depois da publicidade

Os Simpsons

Os Simpsons - Divulgação
Os Simpsons – Divulgação

O jogo The Simpsons é um jogo cooperativo com espaço para até dois jogadores. Mantendo a essência da série animada, o jogo conta com diálogos engraçados e paródias de outros games conhecidos.

No jogo, a família Simpson realiza ações cotidianas até descobrirem que precisam adentrar em um videogame para salvarem o seu criador e outras versões de si mesmos. Após isso, cada personagem assume um leque de habilidades que o ajudarão a concluir os seus objetivos.

Por exemplo, Homer se transforma em uma bola de comer, comendo “power-ups” capazes de fazê-lo rolar e superar obstáculos. Bart consegue usar um estilingue, escalar paredes e fazer diversas acrobacias. Por sua vez, Lisa tem a capacidade lançar raios e levantar objetos pesados com a mente. Por fim, Marge consegue controlar multidões, obrigando as pessoas a fazerem o que ela quiser. A bebê Maggie é uma extensão da mãe, servindo para entrar em dutos e outros espaços apertados para coletar itens e ligar equipamentos.

O jogo conquistou o prêmio Spike Video Awards de Melhor jogo inspirado em um programa de televisão ou filme. Tanto o roteiro quanto o visual do jogo são considerados pontos altos da trama, proporcionando ao jogador uma experiência diferenciada com a série de desenho.

Continue depois da publicidade

The Lord of the Rings

The Lord of the Rings - Divulgação
The Lord of the Rings – Divulgação

O jogo se desvia dos seus antecessores, permitindo ao jogador desenvolver a sua própria lista de personagens. Diante disso, o usuário consegue personalizar a aparência de humanos, elfos e outras criaturas. Além disso, é possível selecionar habilidades específicas que ajudarão os personagens a superarem as dificuldades encontradas na Terra-Media.

À medida que o jogo se desenvolve, o personagem vai interagir com figuras conhecidas da franquia Senhor dos Anéis, como Gandalf, Frodo, Aragorn e mais. Além disso, alguns elementos dos filmes podem ser encontrados no jogo. Por exemplo, os cavalos de água usados por Arwen nos filmes podem ser invocados aqui caso o usuário jogue com elfos específicos.

Os ataques acontecem na modalidade de turnos e os golpes possuem efeitos chamativos, além de referenciarem os filmes. Quem é fã da trilogia ficará nostálgico com alguns dos cenários mais famosos dos filmes. Além das lutas corpo a corpo e com magia, os jogadores terão a opção de montar em cavalos e usar wargs.

Considerações finais sobre a Visceral Games

A Visceral Games foi a responsável por trazer ao público alguns títulos icônicos e de grande repercussão no mundo dos jogos. O time criativo responsável se dedicava bastante ao desenvolvimento de games voltados ao estilo single-player. Desse modo, um único jogador conseguia participar de uma narrativa imersiva e de ótima jogabilidade.

Embora a Visceral Games tenha encerrado suas atividades, seus títulos continuam a serem acessados pela comunidade dos jogos. Caso você não conheça, dê uma oportunidade ao Dead Space, Medal of Honor ou os jogos inspirados na franquia 007. Sem dúvida, eles serão uma fonte bem-vinda de entretenimento e diversão.

Carioca, estudante de Direito, servidora pública e apaixonada por vídeo games, tecnologia e cultura pop em geral. Tenho como hobbies consumir e produzir conteúdos relacionados a esses temas que me interessam, e adoro passar horas adquirindo conhecimento sobre os assuntos que mais gosto, tanto que mantenho um canal no Youtube sobre games há 4 anos. Meu contato com inglês vem de longa data, quando notei que para ter acesso a todo um universo de informações, dominar a língua era fundamental.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui